Convergência Digital e a Sua Marca

05/05/2015
Um artigo que facilitará o seu entendimento sobre convergência digital e sua marca.

Você sabia que de alguma forma sua empresa – ou marca – já recebeu algum tipo de pesquisa na internet? É verdade! O fato é: a convergência digital está aí, ao alcance de todos. E sua Marca? Como está neste mundo virtual?
Acredite: alguém já foi lá, de seu notebook, tablet ou smartphone e digitou o nome de sua empresa a fim de conhecê-la, conseguir seu contato ou, simplesmente, adquirir informações mais profundas/consistentes sobre o que sua empresa faz.

Duvida?

Fique comigo nas próximas linhas. Vou apresentar para você diversos motivos – óbvios – que tornam a internet uma ferramenta primordial na estratégia de visibilidade, vendas e consumo. E acredite: isso serve para variados nichos ou áreas do mercado.

Convergência Digital e a Sua Marca: A essência de um negócio consolidado…

Antes de começar a escrever este texto, refleti muito sobre o sentido correto da palavra “convergência”. Convergir, ao pé da letra, significa conectar diferentes pontos em um único local. É a possibilidade de unir diferentes ideias com a intenção de atingir um único objetivo. Em informática tem um sentido ainda mais conceitual: é a possibilidade de executar – rodar – diferentes tipos de mídias em um único ambiente digital. Mas não é exatamente em nenhum desses sentidos que desejo aplicar a palavra “convergência”.

O sentido que quero aplicar aqui é: todos caminhos de seu cliente o levam a pesquisar sobre seu produto na internet. Fato!

Consegui compreender que é exatamente isso que ocorre. Não vou usar de dados ou estatísticas aqui para convencê-lo dessa realidade. Isso na web têm à rodo. Em outras oportunidades posso até utilizar desses dados, mas não o convém nesse momento. Quero utilizar “convergência” no sentido mais comercial da palavra.

Tenha como exemplo, você lendo este artigo. De alguma forma você foi convencido a estar nesta página e, “matar” alguma curiosidade sobre o tema. Este texto tem o propósito de esclarecer a necessidade da presença digital para sua marca.

Além de tudo isso, pauto esse assunto, numa citação de John Jantsch, do livro Marketing de baixo custo e Alto impacto – Thomas Nelson Brasil, que diz:


Se você ainda não tem um website, preste atenção neste aviso: aproveite a internet ou prepare-se para ficar ultrapassado. […] O objetivo de seu website é permitir que seu visitante comece a tarefa de conhecer, gostar e confiar em você mais facilmente. […] Bem parecido com seu kit de marketing, seu website pode educar, persuadir e motivar seus clientes em potencial para que eles façam alguma coisa.


Acredito ainda mais profundamente na conclusão matadora deste autor quando fala:


[…] seus clientes em potencial esperam que você esteja presente na web. Isso não significa simplesmente um folheto de vendas, mas um website que instrua, ofereça valor e envolva o visitante em alguma forma de interação […] Se NÃO FIZER NADA MAIS do que construir esse tipo de site – sem esforços complementares – ainda terá uma ferramenta de marketing útil.


Gosto, também, da citação sobre a presença digital da marca, de Russ Unger, do livro UX: o guia para projetar – Alta Books:


[…] a marca de uma empresa é muito mais do que o seu logo; é uma série inteira de impressões que uma pessoa, em particular, tem sobre a empresa. […] os sites com presença de marca são os mais focados na apresentação de mensagens e valores da marca da empresa. […] servem como uma grande trilha online […].


E aonde afinal eu quero chegar com esse assunto?!

Quero que você faça a coisa certa. Esteja online. Mas, com qualidade e solidez.

Logo no início dos anos 90, e com mais voracidade, na virada do milênio, no ano 2000, várias empresas foram convencidas de que estar online era um excelente negócio. Foram passando os anos e o que se via realmente era uma decadência digital.

Houve um mito de que a construção do site não era parte integrante do departamento de marketing ou de agências. Destinava-se webdesigners para cuidar dessa parte da empresa, que resultava muitas vezes, em péssimos exemplos de design e interação.

Não quero discutir aqui sobre o papel de quem é mais importante nessa atividade. Posso, hoje, responder simplesmente que o papel mais importante é: o cliente.

Os tempos mudaram e, mais do que nunca, o papel do website tem fundamental importância numa estratégia de conquista e preservação de um público alvo. Taí o apogeu das redes sociais, mandando ver em qualidade e interação com os consumidores. Muitas vezes até resolvendo problemas que a equipe interna não conseguiu solucionar com antecedência.

Esse cenário mostra o quanto necessitamos entrar nessa corrente.

Negócio com o “filme queimado”...

Eu sei que vários empresários já se desgastaram com situações constrangedoras, colocando suas marcas nas mãos de “técnicos” despreparados para cuidar de algo tão importante.

Caíram no desanimo de estar conectados ao cliente. Sentem-se questionados sobre seu site na internet. Provavelmente tiveram muita dor de cabeça e pouco resultado.

Eu entendo de verdade a situação. A cultura de nossa realidade tem colocado páginas na internet como, apenas, resíduos de uma estratégia de marketing. Pouco eficiente e desnecessária. Esse é o pensamento mais comum, depois que “profissionais da web” invadiram o mercado sem a mínima noção de como FAZER A COISA CERTA.

De certo muita gente ainda não sabe, mas, posso afirmar com confiança que...

Existe uma luz no fim do túnel.

O cenário digital brasileiro aponta para uma direção sem volta: a de que estar “online” significa existir para o mundo. O consumidor não está apenas gerando audiência na TV. Nem somente informando-se através de jornais e revistas. Tampouco, o rádio. São mídias importantíssimas sim, mas não os únicos veículos de comunicação efetivos.

Ele está “ligado” e deseja se relacionar com empresas que também estejam “ligadas”. É a personificação do termo “ON”. A web SIM, é essencial e efetiva!

2014 foi um ano derradeiro para aqueles que não acreditavam no potencial da rede. Não se pode negar de que as últimas eleições foram as mais polêmicas e atuantes nas plataformas digitais. Plataformas que praticamente decidiram a existência do segundo turno. Presidenta Dilma que o diga. Não investiu de imediato e viu candidatos adversários movendo verdadeiras legiões de militantes num movimento crescente que ecoa até os dias atuais. Quem não viu uma mensagem aqui e ali com tom eleitoreiro ou discursivo do tema?

Os números cresceram como nunca. Usuários de aplicativos para fotos e compartilhamentos dobraram. É a nova visão que o mundo possui de audiência: os próprios consumidores ditam quem está dentro! Não foi difícil ver as grandes marcas adaptando-se rapidamente a essa nova realidade valendo-se apenas da internet. Pois, elas fazem parte do...

Time de inovadores.

Como disse, 2 tópicos acima, desejo realmente que você faça a coisa certa. Esteja onde seu público/ nicho/ admirador/ consumidor está! Esteja preparado! Faça acontecer!

Ter uma presença digital de qualidade reflete no íntimo de seu trabalho: Cativa colaboradores; Define seguidores; Consolida seu perfil; Educa potenciais compradores; Faz sua marca estar ativa e presente no mundo dos negócios. Todos os dias. Todas as horas.

Os verdadeiros inovadores dessa época estão conectados e sabem tudo sobre você. Mesmo sem você os conhecer.

Pense. Reflita. Internalize esse conteúdo. Quero deixar a mensagem do que realmente almejo desde o princípio desse texto:

Junte-se a esse time de #inovadores! Esteja ON.

Anderson Correa

Designer, Co-founder da TTERRA Comunicação, Diretor de Criação, casado, apaixonado por criação publicitária e arte, curioso por natureza e detalhista por escolha.

Saiba mais sobre o autor
z